quarta-feira, 21 de março de 2012

A propósito do dia mundial da poesia

Primavera planetas alinhados, meu filho transa o corpo que não lhe cabe na pele.
Primavera, Sol que bate dentro das tea-shirts e uma testosterona invade as perfumarias.
Na rua, na poesia do dia, as mãos descontrolam-se pelo sexo adentro.
Não é só de agora que o amor urge.
A mudança climática incomoda o planeta e tu.
Está húmido na mente.
Há fungos à solta no bosão de Einstein.
A relatividade geral desnuda a física e os olhos mordem a tanga.
Primavera.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar